Primeira coisa que devemos entender é que alimentação saudável pode variar muito de acordo com a genética, meio ambiente, cultura e saúde de um indivíduo.

Ao longo do tempo, a forma como vimos os alimentos e o tipo de alimentos que passamos a consumir mudou muito. Por exemplo, por volta da década de 1950, grande parte das famílias brasileiras plantava, criava animais e fazia as próprias comidas que consumiam, como fabricando doces, queijos, embutidos entre outros.

No entanto, com o desenvolvimento da indústria alimentícia, de eletrodomésticos como a geladeira e com o ritmo de trabalho mais intenso, surgiu a necessidade de estocar e conservar esses alimentos além de surgir uma maior variedade de alimentos com facilidade na hora de cozinhar-los.

1. Frutas, verduras e legumes

São ricos em vitaminas, minerais e fibras, quanto mais colorido for o seu prato, maior são as fontes desses nutrientes.

2. Cereais, raízes e tubérculos

Como milho, farinhas integrais, aveia, mandioca são ricos em carboidrato complexo que fornece energia de forma gradativa para realizar as atividades do dia a dia e atividades físicas.

3. Leguminosas

Feijão, lentilha, ervilha, soja, grão de bico são ricos em proteínas vegetais, ferro e fibras, mas o consumo não pode ser exagerado já que fermentam e podem produzir gases.

4. Alimentos de origem animal

Carnes (frango, peixe e carnes vermelhas), leite, queijos, iogurte e ovo precisam ser ingeridos sem exagero. São alimentos ricos em cálcio e proteínas, essenciais para a manutenção da saúde, fortalecimento, crescimento, formação de pele, unhas, cabelo, dentes e ossos e na formação de músculos.

5. Alimentos Industrializados

É importante levar algumas coisas em consideração quando pensamos nos alimentos vindos das indústria já que nem tudo que é industrializado necessariamente é um alimento ruim. Sempre compare o sódio dos alimentos: utilize a etiqueta de informação nutricional para escolher as marcas com menos sódio ou com redução de sódio.

6. Gordura

Além do sódio, ficar atendo os alimentos com menos gordura saturada e trans e os alimentos sem adição de açúcar. As principais fontes são os bolos, biscoitos e sobremesas, pizza, embutidos como linguiças, salsichas, as carnes gordurosas como bacon, costela, cupim, pele de frango, gordura aparente das carnes como picanha e sorvete a base de leite.

7. Beba mais água

Dê preferência para a água e menos para bebidas açucaradas, refrigerantes, sucos de caixinha, bebidas energéticas e bebidas esportivas já que esses são fonte de muito açúcar e caloria, as famosas calorias vazias.
Uma dica é acrescentar o suco de limão ou laranja em um copo de água para dar um sabor.

Ou seja, quanto mas in natura for o alimento, melhor e quanto menos processo industrial também. Vamos combinar, nada como uma comidinha caseira e fresquinha para alimentar o nosso corpo e a nossa alma.

| Artigo escrito pela nutricionista Tereza Porazza.